DEUS ABOMINA SACRIFÍCIOS E HOLOCAUSTOS

 

 

Um dia estava falando com alguém, com quem tive a oportunidade de dizer o que penso sobre o morticínio de animais todos os dias para a nossa errada forma de  alimentação e essa pessoa tentou justificar que já no tempo de Jesus Cristo e antes disso se matavam animais para comer e também se ofereciam em holocaustos a Deus como se ele fosse um carniceiro apreciador de cadáveres incinerados com cheiro de carne e sangue subindo até às suas ‘narinas’.

Há mesmo os que fazendo leituras bíblicas nas suas narrações dão suas próprias  interpretações, e muitos dizem que “Deus exigia sacrifícios de animais para que a humanidade pudesse receber perdão dos seus pecados”, referindo-se ao Levítico 4:35 e outros versículos que no meu entender são autênticos disparates que induziram em erro as multidões ligadas às  religiões que mantêm ainda viva hoje uma cultura de morte e sangue inocente derramado injustamente.

E tudo isso se junta à carnificina diária de milhões de seres da Criação que são abatidos, desventrados e esquartejados para consumo humano cuja alimentação degenerou há muito de seus verdadeiros princípios e para isso contribuiram as duas grandes religiões do Mundo, a cristã e muçulmana, que sacrificam ainda hoje, em datas festivas (páscoa, natal, etc.), tantos animais como já o faziam em tempos ancestrais.

A verdade porém é que nem Jesus Cristo nem Maomé mandou fazer isto, antes pelo contrário:

 “Vim para abolir as festas sangrentas e os sacrifícios, e se não cessais de sacrificar e comer carne e sangue dos animais, a ira de Deus não terminará de persegui-los, como também perseguiu a vossos antepassados no deserto, que se dedicaram a comer carne e que foram eliminados por epidemias e pestes...” (Isto está escrito no capitulo 21 do “Evangelho dos Doze Santos”, um dos Manuscritos encontrados nas cavernas de Qumram junto ao Mar Morto).

E Maomé também teria dito:

“Aquele que tem piedade (até) para com um pardal e poupa sua vida, Alá ser-lhe-á misericordioso no dia do julgamento ... Uma boa acção feita a um animal é tão meritória quanto uma boa acção feita a um ser humano, enquanto um acto de crueldade a um animal é tão ruim quanto um acto de crueldade para um ser humano”.

De resto, a mutilação ou interferência no corpo de um animal vivo que lhe cause dor ou deformação contraria os princípios islâmicos, diz o imã Al-Hafiz Basheer Ahmad Masri.

Por isso não entendo a "Festa do Sacrifício" ou da 'Transliteração (o Eid al Adha)  da tradição muçulmana que ocorre 70 dias após o Ramadão  e consiste em matar inúmeros animais em memória de Abrão numa carnificina que Deus abomina em qualquer religião. Tanto mais que um dos seus Mandamentos é "NÃO MATARÁS!", pelo que não se compreende a contradição:

 

 

Por fim, é pela voz do Profeta Isaias, que Deus diz:

“De que me serve a multidão de vossos sacrifícios? Já estou farto dos holocaustos de carneiros e da gordura de animais nédios; e não folgo com o sangue de bezerros, nem de cordeiros, nem de bodes.  Quando vindes para comparecer perante mim, quem requereu isso (tais sacrifícios) de vossas mãos e viésseis pisar meus átrios?”

...“Quando estendeis as vossas mãos, escondo de vós meus olhos: sim, quando multiplicais as vossas orações (tantas vezes vãs repetições) não as ouço porque as vossas mãos estão cheias de sangue...

“Lavai-vos, purificai-vos, tirai a maldade dos vossos actos, cessai de fazer o mal : Aprendei a fazer bem, praticai o que é recto...”  (Isaias - Cap. 1: 11 a 17 do Velho Testamento)

Estas palavras são mais verdadeiras de um Deus Justo e Bom que condena tais barbaridades e crueldades cometidas em nome de crenças e tradições que há muito deviam ter acabado mas ainda persistem no século XXI porque as pessoas não fizeram melhor seus corações.

Por isso não admira que sofram ainda o reflexo de tantos erros e desregramentos que se perpetuaram pelos tempos, porque efetivamente...

 

 

 

Fica aqui esta dissertação,

Pausa para reflexão!

Rui Palmela

Ver página: A RAZÃO DE NÃO SE COMER CARNE

 

 Voltar