PORTO-GRAAL  E  O  "V  IMPÉRIO"

 

 

 

  Outrora tendo sido uma grande potência no Mundo, o país mais avançado em questões náuticas ou de navegação, possuidor dum vasto Império além-mar na época dos Descobrimentos, Portugal (Hispânia na altura pela sua localização dentro da Peninsula Ibérica), é hoje um país que anda em busca de suas origens perdido no tempo de sua Alma Ancestral. Porém, é dentro de si mesmo que reúne o conhecimento templário dos Mistérios Antigos e segredos do “Santo Graal”.  O ilustre Mestre Lima de Freitas, sabia isso e fez seus quadros inspirados (ver aqui) cujos temas  ilustrados  no livro PORTO DO GRAAL, mostram "a riqueza ocultada da tradição mítico-espiritual portuguesa"  que Fernando Pessoa já tinha vislumbrado e transmitido em sua ‘Mensagem’ que poucos ainda entendem quando profetizava: “Cumpriram-se os Mares, o Império se desfez. Senhor, falta cumprir-se Portugal!”, o do V Império, aquele que o Padre António Vieira referia percebendo a própria profecia bíblica da visão de Daniel face ao mundo futuro e uma  Nova Era Universal.

    Na verdade caberá a este pequeno país à Beira-Mar plantado o seu papel que o saudoso Prof. Agostinho da Silva idealizava como o “Menino Jesus das Nações”, sabedor duma Verdade Transcendental acima de todas as crenças e religiões, dogmas ou superstições. Aqui está a luz vinda do Oriente que iluminará por inúmeras gerações.  Este país lusitano (Lux-Citânia ou lugar de Luz) será o “Mensageiro” da Nova Era, simbolizado pelo número  515 no livro de Dante, que levará a toda a parte o “Selo Solar” desvelado há muito pelos que já libertaram suas mentes e fizeram melhores seus corações.  Aliás, dizia o distinto teósofo Prof. Henrique José de Sousa o seguinte:  

"Entre todas as raças da humanidade, desde o alvorecer dos tempos, existe a  tradição de uma Terra Sagrada ou Paraíso terrestre, onde os mais elevados ideais da humanidade são realidades vivas. Este conceito é encontrado nos escritos mais antigos e nas tradições dos povos da Europa, Ásia Menor, China,  Egito e Américas.  Esta terra sagrada pode ser conhecida somente das pessoas merecedoras, puras e inocentes, razão pela qual constitui o tema central dos sonhos da infância"...

      Por fim,  uma lenda Oriental vaticina que "o cálice sagrado (o Graal que já esteve em Portugal) será encontrado quando se aproximarem os tempos de Shamballah", o lendário reino do Prestes João da Tradição Lusiada, os Reinos Internos da Terra ou Agharta, o VITRIOL  dos Rosacruzes ou da Maçonaria,  o Lugar Sagrado onde Melquisedeque dirige os "destinos do Mundo".

      Para terminar, deixo aqui um poema do poeta português Augusto Ferreira Gomes (o melhor amigo de Fernando Pessoa) que se exprime assim:

   Ao nocturno passado - fé crescente -
   erguendo olhos em sombras abismados,
   e fechando-os de novo marejados
   pelo sinal da névoa ainda ausente,
   todos sentem que a alma, em vão dormente,
   cisma com horizontes dilatados;
   e vivem a verdade de esperados
   domínios. E assim, abstratamente,
   se constrói um Império ao pé do Mar,
   - sentido universal de um só altar -
   fundindo-se no céu imenso e aberto...
   Gentes! Esperai que Deus, com sua mão,
   desfaça para sempre a cerração
   que envolve há tanto tempo o Encoberto...
   Quando dado o sinal, o Império for
   e quando o Ocidente ressurgir,
   no momento marcado hão de tinir
   pelos ares as trombetas do Senhor.
   E haverá pelos céus, só paz e amor.
   Um só Cálix de Ouro há de fulgir,
   uma só cruz na Terra há de existir,
   sem inspirar receio nem temor...
   Será a hora estranha da Verdade.
   E morta a pompa do pagão sentido,
   surgirá, então a Outra Idade.
   Acabará este viver incerto.
   Será o Império único e unido
   Quando der sinal o Encoberto!

 

                             E o "V Império" surgirá na Terra, sob o Alvorecer duma Nova Era!  

                                                                                 Rui Palmela

 

 Ver:  A MENSAGEM de Fernando Pessoa

e

 "O Amor a Portugal" - Canção de Dulce Pontes

 

clicar na imagem

 

 

 

VOLTAR