MÃE TERRA...

 

 

 

Impiedosamente devastam o seu verde,
inconsequentemente abortam de seu ventre
o fruto a germinar sementes
para dar vida a essa gente
que inconscientemente a destrói
buscando avidamente a ganância que corrói,
esburacando o mundo , a se suicidar...
e levar a morte a todo lugar.

E a Mãe-Terra a tudo assiste ...
Vê sugarem de seu peito a seiva da vida,
desmatarem florestas, fincarem feridas,
secarem seus rios, chorarem seus céus,
emudecerem as aves, extinguirem animais,
vandalismo inconcebível às riquezas naturais,
masoquismo irreprimível à fauna e às essências florais.

Mas ela não desiste...Persiste.
Num esforço supremo faz verter as suas lágrimas
que correm para os rios a procura de seus mares,
sopra fuligens do tempo purificando os ares,
carrega em suas asas as aves entristecidas,
acaricia seus filhos numa prece emudecida,
espreme de seu peito a seiva que alimenta,
que ainda existe e que fomenta
a luz da esperança que tende a se apagar,
mas que de repente se acende e se inflama...
Terra-Mãe que derrama seu sangue e o esparrama
em cada botão prestes a desabrochar.

                                                                Carmen Lúcia

 

 Voltar