Estudo Esotérico da Cidade de Setúbal

 

 

 

                                              

 

 

 

 

 

 

 

Portugal tem uma cidade com características únicas no Mundo em termos de  localização geográfica e história oculta de nível transcendental.   É ela...

 

SETÚBAL,  uma cidade cujo nome resulta da cisão de 2 nomes bíblicos que representam os fundadores da Civilização, a saber:  Seth (3º filho de Adão)  e  Ubal  (um descendente de Noé).

 

Escreve-se com sete letras e diz-se ser “Sete Vezes Sábia” por ter sido abençoada por grandes Seres.  Doutro modo, o Convento da Serra da Arrábida, que foi duma Ordem franciscana do século XVI  (os frades capuchinhos ou arrábicos),  tem também 7 Ermidas ao longo do seu declive, na parte Poente, cada uma com seu significado,  construidas ali com uma certa finalidade.  Aliás, sabe-se que o Convento está situado sobre um “triângulo magnético” da Serra (com o vértice voltado para baixo) que confere ao local um certo ponto privilegiado para fazer contactos de ordem superior ou espiritual.  Existe mesmo no “Convento Novo” (fundado em 1542) uma capela com a cúpula oitavada (o 8 é o símbolo do Cristo Ressuscitado), chamada de BOM JESUS, com um altar quadrilátero onde se faziam 4 missas em simultâneo (ou rituais teúrgicos) de invocação ao Divino.  O “4” representa os quatro pontos cardeais e é o símbolo do ponto de Equilíbrio em ‘Cruz’ no Universo.

 

Mas analisemos antes o significado do número “7” que é o símbolo gráfico sagrado e perfeito (segundo Pitágoras) de qualquer manifestação do Divino  na Terra como no Cosmos.  Temos,  por exemplo, os 7 dias da Criação do Mundo, os 7 Raios da Luz Sem Fim, o “7º Céu”, os 7 Arcanjos do Trono de Deus, os 7 degraus da Escada de Jacob referidos na Bíblia que representam os 7 Planetas com Aura astro-etérea de ascenção astrológica por onde temos de passar para chegar á Perfeição...  

 

Na Terra temos as 7 cores do Arco-Iris, os 7 dias da semana, as 7 notas musicais, as 7 artes, os 7 ‘chakras’ do corpo humano, os sete grupos de vértebras, os 7 orifícios no crânio, as 7 virtudes humanas, os 7 pecados capitais, os 7 anos de idade para cada fase da mudança de personalidade, etc...   Enfim, tudo se processa no Universo dentro dum ritmo Septenário.  

 

Portanto, o “7” está presente também no nome da cidade de Setúbal que, por coincidência ou não,  tem a 7 Km a vila de Palmela que por sinal também se escreve com 7 letras...

 

Por outro lado, o nome de Setúbal em Numerologia dá o algarismo 769 que decomposto dá o 22  (o número de Ansiãos ou Sábios)  e este por sua vez dá o número 4.  Na verdade ela é a 4ª cidade dum País de Cruzadas que andou pelos ’4 cantos’ do Mundo, tendo dela saido barcos e Caravelas que nos levaram Além-Mar e tudo se liga no passado e no presente na memória dos poetas e cantadores de Setúbal, tal como se exprime Raposo Nunes no seu livro o BULBUL (Rouxinol do Oriente) com Prefácio escrito pelo próprio Prof. Agostinho da Silva, numa linda prosa sobre a Arrábida onde diz:

 

 

Ermo onde o meu olhar parte para a India

e meu corpo fica agarrado ao musgo.

Ermo onde vislumbro a aventura

e a lembrança navega na rota do Sul.

Ermo onde a Saudade é uma Nau de pedra

esculpida sobre um sonho de Quinas.

Ermo onde a poesia exala perfumes marítimos

e o Império se pressente a cumprir no Quinto.

Ermo onde divina poesia foi escrita na solidão

da Serra pelo místico poeta do mítico silêncio.

Ermo onde visto o Hábito da Saudade do Ganges

cujas águas correm na direcção do Atlântico.

Ermo onde avisto o Sado a nascer no Himalaia

em espiral de fogo a partir do centro da Arrábida.

Ermo cósmico representado na Esfera Armilar

ardendo nas águas do mar Luso.

Ermo da via da humidade que é o caminho

mais curto para o céu cuja distância desconheço.

Ermo onde a ignorância me leva a entender

todos os poemas que nunca escreverei.

Ermo onde viajo pelos lugares sagrados

que vejo das frestas abertas ao mar.

Ermo onde sou religioso por momentos

que são a eternidade da alma humilde.

Ermo onde um dia quero morrer devagar

na queda do Sol na linha Lusa do Sul.

Ermo onde me perco na distância do Oriente

chamado pelo cantar amargo e doce do Bulbul.

 

                                                          

   

                                                  

 

 

Mas continuando o estudo, analisemos as cores da própria bandeira municipal do concelho de Setúbal que é de Branco e Violeta, símbolos cromosóficos de Paz e de Espiritualidade.  Penso que elas são a representação duma cidade cuja alma colectiva “vê” (ou sente no seu imo) o passado e o futuro numa ligação oculta  à própria Divindade.  Aliás, por alguma razão existe no Salão Nobre da Câmara Municipal de Setúbal um painel de parede com um símbolo esotérico de grande significado e transcendência no Planeta que é o sacro-trigrama “AUM”  )  trazido pelo patrono da cidade - S. Francisco Xavier,  o “Apóstolo das Indias”, que missionou por terras do Oriente e trouxe de lá a sabedoria dos  Bhramanes e várias correntes teosóficas do Conhecimento.  É por isso que se diz, talvez, que é “sete vezes sábia”...  

 

Também se verifica que o distrito se Setúbal é constituído por 12 concelhos (o mesmo número dos Apóstolos de Jesus-Cristo)  que lhe conferem, simbolicamente, uma certa ideia de espiritualidade,  sendo também terra de Pescadores...

 

Doutro modo, pode-se dizer que tal como Jesus era o “cabeça de ângulo” dos seus 12 discípulos, também Setúbal é a “cabeça de ângulo” dos seus 12 concelhos...  Elevando o significado deste número ao Cosmos, ele representa a Pleíade dos doze “Apóstolos Planetários” (tal como referido esotericamente no quadro a 'última ceia' de Leonardo da Vinci) em torno do Cristo-Solar ou ‘LOGOS’ do Sistema.   Até aqui só se conheciam 9 Planetas, depois foram descobertos mais 2 e recentemente mais um que deu origem a uma discussão polémica entre 2.500 astrónomos que decidiram ‘despromover’ Plutão para considerar este e os 3 restantes numa categoria de “planetas anões”.  A verdade, porém, é que se concretizou aquilo que há muito se previa para o século actual. 

 

 

 

 

Enfim, voltando ao tema inicial, Setúbal é (por assim dizer) um “chakra-laríngeo”  na ‘garganta’ de Portugal,  cujo mapa mostra a configuração de um rosto coroado na parte Norte.   Este país de reis foi e é também um Porto de Paz  (PORTO-GRAAL), de que Setúbal já foi sua Capital, ou um “Lugar de Luz” (LUX-CITANIA),  cujo significado místico na rota dos tempos deu ao Mundo o seu contributo de Além-Mar. E se entendermos também qual o significado oculto da Bandeira portuguesa com suas cores Verde/Vermelho e o Escudo Dourado ao centro, ladeado por 7 Castelos com 5 quinas dentro das quais existem 5 pontos que representam as chagas de Cristo, então descobriremos um tal ‘Segredo’ que o ilustre Fernando Pessoa entendeu e que o levou a dizer:  Cumpriram-se os mares, o império se desfez.  Senhor, falta cumprir-se Portugal”...

 

Curiosamente,  realizou-se  pela 1ª vez, nesta cidade, no dia 10-6-2007 (=7), a Comemoração do dia de Portugal, de Camões, com a presença do sr. Presidente da República (Prof. Cavaco Silva) que veio aqui por alguma razão, no ano em que nosso país assumiu a presidência da União  Europeia.   Verificou-se também que eram  7 entidades ao todo que constituíam, com ele,  a tribuna de honra onde estava sentado. Coincidências? - Não, tudo tem seu significado oculto.

 

São estes, enfim, os aspectos mais alargados e profundos dentro da Alma da Nação, que permite concluir que Set-Ubal é uma voz interior que sai (ou se situa) no 3º chakra-laríngeo que fala dos tempos de Grande  Transformação.  Na verdade, tudo a seu tempo se virá a saber,  porque tal como Jesus dizia:  “Nada há em oculto que não se venha a conhecer”...

 

Termino assim este tratado esotérico sobre Setúbal e seu significado, fazendo para Deus uma certa apelação, desejando sempre que esteja breve o dia em que nascerá em toda a Terra uma Nova Era de Civilização.  Que os 2 Fundadores  SET e UBAL estejam presentes de novo no Planeta para dar o seu contributo reformador e transformador do Mundo para uma Nova Humanidade, uma nova Realidade.  

 

                                     Rui Palmela  

 

Notas:       

S. Francisco Xavier nasceu em Castillo Javier, no reino de Navarra, em Espanha em  7-4-1506. Foi Mestre em Artes e Teologia na Universidade de Paris em 1530. Juntou-se a Inácio de Loyola em 1534. Entrou em Portugal por Setúbal em 1537. Viajou para a India em 1540. Aporta a Goa a 1541. Missionou no Japão e nas Moluscas em 1549. Morreu em Sanchoão às portas da China em 3-12-1552. É o Patrono da cidade de Setúbal desde 1703.

 

 

 Ver aqui  Fotos de Setúbal - Minha Cidade 

 

e

 

"GOLFINHOS PARADE" NA CIDADE DO RIO AZUL

 

 

 

 

  Voltar