A VIDA NO PLANETA MARTE

 

 

Enquanto os homens se interrogam sobre a existência de vida ou não noutros Planetas e o governo norte-americano gasta verbas astronómicas enviando sondas ou engenhos sofisticados para o Espaço onde se perdem irremediavelmente, como sucedeu com o primeiro robot na superfície de Marte, tendo sido construido um segundo que pousou com sucesso na superfície do planeta vermelho no dia 5-8-2012 para saber se há vida semelhante à nossa, já Jesus  dizia noutros tempos que... “Na casa do meu Pai (o Universo) há muitas moradas”,  afirmando ainda que o seu reino não era deste mundo. Por isso muitos dizem que ele era um "Extraterreste" que até teve um contacto no alto do Monte Tabor onde desceu uma "nuvem luminosa" na qual entraram (ele e 3 discípulos) tendo falado com dois varões que ali permaneceram algum tempo.

Mas deixando de parte esta minha pequena introdução pessoal, eu diria mais convictamente de que efectivamente NÃO ESTAMOS SÓS NO UNIVERSO e creio que  Marte não é certamente um planeta morto ou desabitado como muitos supõem, além de que por alguma razão é aquele que mais curiosidade desperta nos nossos cientistas que  investigam agora sua superfície com o robot Curiosity que lá colocaram. De resto, já sabiam que lá existia um enorme "rosto" esculpido no solo com 3 Km de comprimento e também várias pirâmides semelhantes ás do Egipto a vários kilómetros do mesmo. Ver foto tirada pela sonda Vicking em 1976 e só tornada pública 20 anos depois:

 

 

Mais intrigante ainda é esta outra foto em baixo captada  pela sonda Spirit no ano de  2004 que só seria divulgada mais tarde em 2007 e parece mostrar um ser alienígena ou uma estátua esculpida na paisagem marciana e por quem?

 

 

Enfim, dissertando eu um pouco sobre Marte creio que não existe lá apenas rochas e "vida microbiana" como alguns cientistas pensam, pois o mesmo poderiam dizer seres de outros Planetas que fizessem pousar uma sonda na Terra em regiões inóspitas rochosas ou no deserto do Sara ou nos circulos polares onde só existem glaciares com temperaturas impossiveis de suportar.

Assim,  começarei por referir as características naturais do "planeta vermelho"  que também  tem círculos polares e zonas equatoriais, medindo a sua superfície 6.800 Kms  de diâmetro, um pouco menor do que a Terra. Um dia marciano é de 24h40m, quase igual ao nosso.
 
Diz-se também que existe ali vegetação cujo aspecto é predominantemente avermelhada devido ás características do solo onde também  existe água, naturalmente, e escusado será dizer que tem uma Atmosfera respirável, embora mais rarefeita, apropriada aos seres que ali habitam.  Cada orbe tem suas características naturais próprias e não podemos equiparar o padrão da vida na Terra com a de Marte ou de qualquer outro planeta, dentro e fora do nosso sistema solar.  

Assim, as estações do ano marciano, são mais longas e sem as violentas mutações das nossas ultimamente. No entanto também existem zonas de “tempestades” e ventos violentos em Marte como se verificam aqui na Terra.  As temperaturas normais porém oscilam entre os 25 e os 30 graus nas regiões equatoriais, ideal para as espécies vegetais e animais ali existentes. 

Tudo isto é revelado em "A Vida no Planeta Marte" de Ramatis, uma obra psicografada pelo médium brasileiro Dr. Hercíleo Maes publicada em 1978, onde se lê o seguinte:

 


  
 "Os marcianos têm uma certa semelhança física com a vossa, embora de estatura mais baixa e de contextura anatómica delicada.  Os olhos variam entre o cinzento-esverdeado e o azul-claro, límpidos, translúcidos, impregnados daquela ternura que reflecte a paz na alma. 
São muito desenvolvidos cerebralmente, cujas faculdades telepáticas lhes permite comunicar uns com os outros sem ser preciso utilizarem a voz.  Só raramente o fazem.  

  Mantêm uma Organização Social altamente avançada, espiritualizada, num Mundo onde não há guerras, injustiças, misérias, diferenças  raciais, etc., e a ausência de doenças deve-se ao equilíbrio psíquico e orgânico dos seus corpos cheios de grande longevidade.
 

    Alimentam-se basicamente de sucos e pastas vegetais, ‘tabletes’ de frutos gelatinosos,  óleos aromáticos, enfim, tudo o que lhes provém de culturas biológicas altamente seleccionadas do reino vegetal.  São integralmente vegetarianos e ficam horrorizados perante o espectáculo tétrico da matança de milhões de animais que os seres humanos consomem.
 
   Também não têm vícios nem aspiram fumaça de ervas secas moídas como os homens terrenos o fazem,  nem ingerem bebidas alcoólicas corrosivas das mucosas e do cérebro. Isso é  mais próprio de seres primitivos que ainda exploram a sensação do gosto e do olfacto tão comum na Terra.

   Os marcianos são altamente inteligentes e por isso evoluiram há muito do estado hominal para o génio celestial (o futuro Anjo).  Por isso respeitam a sua natureza, coisa que os terrícolas não o fazem e até degeneram da sua própria condição, sofrendo o reflexo de tanta degradação.
 
   Os trajes que envergam são simples, apropriados às diversas actividades que desempenham e os tecidos são parecidos com o ‘nylon’, tendo a particularidade de poderem ser magnetizados pelos seus utilizadores a fim de neutralizar emanações negativas vindas  do meio astrológico que bem conhecem.
 
    O casamento em Marte é algo que não se confunde com “amor carnal”, é mais “espiritual”, e a constituição das famílias são todo voltadas para o êxito da grande Família Universal.  Os laços que os unem são fortalecidos pelo conhecimento de vidas passadas,  cujas “árvores genealógicas” são apenas formas de se reencontrarem no plano físico em jubilosa ligação espiritual e ancestral que recordam.
 
    Os marcianos trabalham conscientemente para o bem comum, pois sabem que o bem-estar do Todo depende da boa harmonia e alegria envolvente de todas as partes.  Praticam vários esportes nas suas horas de lazer e não discutem nem têm qualquer espírito de competição como é tão comum verificar-se na Terra.  
 
    Também são grandes apreciadores de música e sabem que ela é uma linguagem universal em qualquer latitude do Cosmos.  É uma dádiva de Deus que concede aos espíritos a “Música das Esferas” criada na forma de sons e vibrações harmoniosas que elevam a alma humana ao Universo mas que nada tem a ver com os sons estridentes e violentos do “Rock da pesada”  tão apreciada pelos jovens terrícolas".

 

 


     Enfim, talvez tudo isto não passe de pura imaginação do autor da obra psicografada que fala de tantas outras coisas, inclusive sobre os veiculos espaciais que utilizam e conhecemos aqui na Terra por “OVNIS” ou “Discos-Voadores”, tendo eles outras grandes naves que usam nas suas viagens intergalácticas atingindo velocidades fantásticas conseguidas pelo uso da energia magnética que dominam há muito tempo.

    Talvez  um dia  a Humanidade terrestre venha a saber muito mais coisas pela boca dos próprios cientistas do nosso século que poderão fazer grandes revelações sobre vida inteligente noutras dimensões (se forem autorizados para isso), pois há muito para saber não só sobre Marte como de muitos outros Mundos Habitados além do nosso. 
 
    Para terminar, deixo aqui uma frase do Prof. Henri Corbin que diz o seguinte:
 
  
    ..."Quando aprenderes nos tratados dos antigos sábios que existem mundos com dimensões e estudos que não estão ao alcance do pleroma das inteligências humanas, e que nesses mundos, governados pelo Mundo das Esferas, existem cidades impossíveis de descrever... Não duvides, porque os peregrinos do espirito contemplam esses Mundos e neles encontram o que é objecto de seus desejos".

 

 

 

Fica aqui mais esta dissertação,

Pausa para reflexão!  

Rui Palmela